domingo, 21 de dezembro de 2008

parado




Hoje comecei a sentir, após longos meses sem sentimento despoletou, hoje, em mim uma amálgama de emoções. Mais uma vez a noite tornou-se minha companheira, mais uma vez foi na noite que vi o que queria e o que não queria. Desta vez sei o que fazer e não estou para merdas, que o título de ingénuo e parvinho há muito que me foi retirado.

Confesso que não entendo aquelas pessoas que dizem que gostam de nós e depois vamos a passar no corredor da morte e estão em actos não sexuais, mas porém físicos, com outras pessoas! Vamos a resumir então a questão, “gostas de mim?” resposta “Sim, Amo-te”, e depois acontece o que já referi. Não há paciência para conas mal resolvidas.

Por isso… JUIZO e vejam lá o que fazem ;)

Hoje vou ficar parado a pensar no assunto.

3 comentários:

Adão disse...

Em vez de ficares parado.. porque não avanças e resolves os assuntos? Agir é a solução. E não a comodidade.

Pedro Espírito Santo disse...

Dá-lhes um murro no nariz, fica sempre bem na altura do Natal, ahaha!

Fora de brincadeiras, pessoas que uilizam mal as palavras pouco importam. Essa história do "dizer uma coisa e fazer outra" é digna do mais belo chuto no traseiro.

Pensa sobre isso durante uns minutos. E depois "move on".

Abraçooo

João de Matos disse...

Li algures que a comodidade não é a solução. Facto é que o momento parado pode não ser uma forma de comodismo, será, sim, no meu ver, a ver de resolver introspectivamente os problemas que tens para resolver. Serão certamente problemas sobretudo teus com um outro alguém.
Mais uma vez, fico retido na tua forma sui geniris de escrever, que mesmo utilizando o palavrão, fica uns texto bonito e sentido.
Bem, padrinho, bom natal! Aparece por terras Charnequences ;)

[[]]