domingo, 19 de outubro de 2008

spore

"É tudo uma questão de sobrevivência? Importas-te que eu saia desta galáxia por um bocadinho? O que fazes com a tua química? Podemos misturar elementos? Agora vamos para onde? Mais olhos são mais janelas para mais almas? Se não estamos aqui, onde é que estamos? Aqui ou ali? A agressividade amistosa será mais eficaz do que a amizade agressiva? Posso orbitar-te? Essa protecção para os olhos vem com uma crista? Onde é que estacionei a minha nave? O que achas dos meus tentáculos? Não, a sério! Só tens dois olhos? Porquê? Porque é que os buracos negros não podem ser azuis? Este ecossistema vem noutros sabores? Alguém gosta de tripedalismo? Como é que os outros seres da galáxia lidam com o stress? Como é que podes estar tão tristonho com um planeta tão rico em borato de sódio hidratado? As viagens não são todas viagens espaciais? Se tivéssemos sopa em pó suficiente, podíamos transformar os mares da Terra em sopa? Nós sabemos mesmo o que achamos que sabemos? Os extraterrestres pensam neles próprios como terrestres normais?"

8 comentários:

Dany disse...

demais.:)

João de Matos disse...

Adorei o texto João Pedro ;)

Carlota disse...

Mto bom :)
Kisses

Daniela disse...

Vales Ouro miudo! Muito bom*

Carla disse...

Viva a inspiração =)

Pedro Espírito Santo disse...

Que bem que estás escrevendo João Pedro! Agora vê é se escreves mais rapaaz!

Diogo Ortega disse...

Pra quê cortar os pulsod ad eternum?

Adão disse...

Todas as perguntas são válidas e reveladoras de ignorância. Mescladas, não de vergonha, mas de uma sabedoria construtiva eficaz em escolhas futuras.